"Um dia verde nas saladas, nas florestas e na conta corrente, sempre!!!"

Quem sou eu

Minha foto
Búzios, RJ, Brazil
Artista plástica e professora. Meu trabalho consiste em estudar a matéria descartada e criar com ela soluções que decorem e sirvam também. Assim nascem luminárias, peças utilitárias, decorativas, abajures,etc. Mas é na escultura em papel machê, que melhor expresso essa busca por transmutar o descartado.

domingo, 18 de outubro de 2009

Brincando de criar


Pensando ,mesmo que inconscientemente, numa maneira de intervir no mundo do consumo, nasceu desde de pequena a vontade de transformar tudo e qualquer coisa “ descartável” em algo útil. Assim começou a construir seus próprios brinquedos e a materializar seu imaginário através das sucatas.


“ Sempre me senti perturbada com a quantidade de coisas que agente descarta todo dia. A cor, textura e forma desses objetos, chamavam a minha tenção. Era como se eles pedissem para serem reaproveitados. Assim surgiram os primeiros brinquedos , bonecas de retalho, fogãozinho de caixa de fósforo, moveis para minha casinha dos sonhos. A construção desses objetos estreitaram minha relação com o descartável. De modo que construí o conceito da relatividade do descartável.”

Agora já adulta, a brincadeira ficou um pouco de lado, Adriana teve experiência com inúmeras técnicas,pintura, esculturas em porcelana fria,e claro papel machê. “Fui minha própria decoradora de festas infantis, do quarto dos meus bebes, fui expectadora assídua de programas de televisão que ensinavam artesanato, acumulei muito conhecimento. Isso me provou que vontade de saber é fundamental. Em 2000,vim morar em Búzios, meu paraíso particular, minha casa. Em obra e com pouco dinheiro, eu já disse que sou professora? A criatividade e disposição para alcançar metas foram fundamentais. A crise e dificuldades, devem ser vistas como oportunidades para crescer e criar.”
Assim percorreu por mundos novos, criando seus projetos de marcenaria para sua casa,e quando a necessidade era decorar e iluminar começou então a desnvolver luminárias de todo o tipo,usando imaginação e materiais descartados seguia sua trajetória iluminando os espaços de sua casa. Agora a casinha de verdade, era o laboratório perfeito para aplicar seu talento. Assim coletava sucatas ,de todo tipo, da casa e até da rua, pois em cada material , via um projeto e juntava esse material.
“Achei que precisava até de tratamento psicológico. O que eu não me dava conta é de que o melhor tratamento para isso era a materialização desse imaginário atolado no meu inconsciente, assim como os materiais que se acumulavam no meu atelier.
Gosto de criar. O desafio do novo e inusitado me atrai. Aproveitar, reaproveitar, analisar o objeto na sua forma,cor,textura, funcionalidade e outras infinitas possibilidades de uso, instigam meu imaginário criativo.
Trabalhar com descartado, para mim é mais que simplesmente está intervindo no processo da matéria que já serviu, é viajar com essas inúmeras possibilidades de ver o lixo.
Assim sigo esse caminho de projetos e soluções para cada objeto descartado.
Hoje, meu caminhar engloba várias vertentes como oficinas para minha comunidade ou em pousadas para funcionários e hospedes, reciclando seu próprio lixo, em escolas públicas e particulares. Buscando envolver outras pessoas de todas as idades,nesse processo de criação e conscientização. È importante que as pessoas tenham seu campo de visão bem aberta para essa questão do lixo.
Somos nós, com nossa consciência que fazemos o hoje ser melhor, com mais arte, com mais oportunidades e menos... bem menos lixo a nossa volta!”



“Recriando sobre a matéria, metamorfoseando os objetos descartados, estamos desafogando a natureza que nos serve e servindo a nós mesmos com o fruto dessa criação.”
ADRIANA di MACEDO

Um comentário:

  1. Navegando pela grande rede sem rumo com a intenção de divulgar o meu blog, cheguei até você e gostei do que vi, tanto que pretendo voltar mais vezes.
    No momento estou impedida de fazer leituras muito extensas, pois a claridade da tela do computador está prejudicando um pouco a minha visão, devo tomar cuidado. Em breve resolverei esse problema. Bem, já que estou aqui aproveito para convidar a conhecer FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... em http://www.silnunesprof.blogspot.com
    Eu como professora e pesquisadora acredito num mundo melhor através do exercício da leitura e enquanto eu existir, vou lutar para que os meus ideiais não se percam. Pois o maior bem que podemos deixar para os nossos filhos é o afeto e uma boa educação. Isso faz com que ela acredite na própria capacidade e tenha um preparo melhor para lidar com as dificuldades da vida.
    Se gostar da minha proposta, siga-me.
    Peço que ao responder deixar sempre o link do blog, pois às vezes a mensagem entram com o link desabilitado ou como anônimo. Por causa disso fico sem ter como responder as pessoas.Os meus comentários entram via e-mail, pois nem sempre a minha conexão me permite abrir as páginas: moro dentro de um pedacinho da Mata Atlântica, creio que mais alto que as antenas, com isso a minha dificuldade de sinal do 3G. Espero que entenda quando não puder responder.
    Por hoje fico por aqui, Espero nos tornarmos bons amigos.
    Que a PAZ e o BEM te acompanhem sempre.
    Saudações Florestais !

    ResponderExcluir

Olá! Comentem, critiquem positivamente e deem idéias novas para um mundo melhor.